Camargo Corrêa e AG Prima não convencem CPI da Alerj - Monitor Mercantil

RIO

Camargo Corrêa e AG Prima não convencem CPI da Alerj

23/10/2013 - 15:57:21

As explicações das construtoras Camargo Corrêa e AG Prima sobre o atraso na entrega de unidades habitacionais não convenceram os integrantes da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj). O representante da Gafisa não compareceu, o que revoltou os integrantes da CPI. Apenas enviou um documento dizendo que não poderia comparecer e pedindo para uma nova data.

O depoimento do sócio cotista da AG Prima, Rodrigo Medeiros, só serviu para que o vice-presidente da CPI, deputado Luiz Paulo (PSDB), pedisse que a comissão enviasse ao Ministério Público estadual pedido para que fosse feita uma ação civil para proibir a empresa de vender os dois terrenos localizados em Campo Grande, cujos empreendimentos Jardim de Suncerre e Vivenda de Campos estão previstos para serem construídos.

A construtora, segundo o seu sócio, efetuou o lançamento sem ter os recursos da Caixa Econômica Federal (CEF) para implementá-los. Este fato, levou o deputado Comte Bittencourt (PPS) a afirmar que isso é estelionato. O depoimento do sócio da AG Prima foi tão fraco, que ele admitiu aos membros da CPI que a empresa sem os recursos da CEF, a empresa não poderia construir os empreendimentos. E admitiu que entrou de sócio com aporte de recursos de R$ 100 mil. As obras de ambos os empreendimentos, que deveriam ser iniciadas m 2010, até o momento nada foi feito. Isso, sem mencionar os outros projetos.

O deputado Gilberto Palmares, presidente da CPI, fez questão de afirmar que irá pedir a Justiça para bloquear qualquer terreno da empresa.

Já a gerente de relacionamento da Camargo Corrêa, Maria Mirza Cristina, em função de seu cargo, não pôde responder todos os questionamentos. Ela afirmou ao presidente da CPI que as indagações serão respondidas por escrito pelos técnicos da empresa sobre o empreendimento em Icaraí. Ela apenas falou o que os membros da CPI já esperavam.

Comentários

No momento, não há comentários. Para escrever o seu comentário, é necessário se autenticar.